comunicar

Seja como for, comunique-se!

A comunicação evoluiu muito, principalmente nos últimos 20 anos com a inclusão da internet, globalizando as informações e difundindo instantaneamente as notícias. Ao mesmo passo em que a comunicação foi evoluindo, novas ramificações e meios não corriqueiros de comunicação foram surgindo, como exemplo, a Gestalt.

Gestalt, de origem germânica, significa “forma”, mas também pode significar “teoria da forma”, “estudo da figura”, “psicologia da forma” entre outras. Embora muitas pessoas a desconheçam, ainda assim, estão cercadas por ela, desde quando divagam sobre as formas das nuvens no céu até quando estão projetando.

Para resumir a Gestalt, vamos usar o cubo como exemplo:

Desenhe em uma folha de papel um quadrado.
Agora transforme esse quadrado em um cubo, mas não se atenha aos detalhes de projeções ou arestas ocultas, use a simplicidade dos traços apenas.

Você deve ter chego nessa imagem:

Observe o quanto é difícil olhar para o desenho e não ver um cubo. Note que você precisa se esforçar para perceber que são dois quadrados ligados por linhas. Essa dificuldade, em não ver o cubo – que esta desenhado em 3D – ainda que ele tenha sido feito no 2D, se dá por causa da Gestalt.

O cérebro interpreta instantaneamente algumas formas e faz associações pelo nível de detalhes ou pelo contraste. É quase uma comunicação subliminar, porém, ela é ainda mais incisiva, pois não trabalha apenas o subconsciente. São essas características que fazem da Gestalt uma ferramenta indispensável para o Designer.

Em uma análise positiva da figura a seguir, podemos ver a árvore e alguns pássaros. Já na aplicação negativa, – aplicação em que a figura é formada pela cor branca e não pela cor preta -, podemos ver um gorila e um tigre. Essa dualidade na imagem é consciente, basta apenas observar com atenção. Há pessoas que veem a árvore e custam a ver os animais, isso dá por que o cérebro tende a procurar o resultado mais fácil para sua interpretação, alguma imagem que seja mais semelhante para o observador, e também existem pessoas que conseguem ver os animais simultâneos à árvore, justamente por que a Gestalt pode e deve ser treinada.

De forma grosseira, Gestalt é o que faz você ver além do óbvio, e por isso é considerado um grande pote de outo para os criativos.

Existem sete fundamentos básicos da Gestalt que ajudam a estudar melhor e mais profundamente as interferências dessa ferramenta do cérebro nos trabalhos. São elas:

 

 – Segregação: O cérebro consegue segregar elementos e estabelecer hierarquias de leitura ou de importância por meio de peso, cor, tamanho e etc.

 

–  Semelhança: Elementos de formas ou cores semelhantes tendem a formar grupos mais coesos, por exemplo, é mais fácil montar times usando as cores do uniforme do que pela cor do cabelo.

 

– Unidade: Na lei da unificação, mesmo uma imagem abstrata pode ser entendida pela mente humana pois preenchemos os espaços vazios instintivamente, assim como os logos do “Johnnie Walker” – um homem caminhando -, “WWF” – um urso panda -, “Unilever” – a letra “u” -.

 

        

 

 

 

 

 

– Proximidade: Figuras muito próximas tendem a serem vistas como uma única figura ou objeto, por exemplo, as impressões à jato de tinta são imagens formadas por milhares de micro pontos de tinta bem próximas.

 

 

– Pregnância: Figuras mais simples são mais facilmente compreendidas, figuras complexas tendem a levar mais tempo para serem assimiladas.

 

 

– Continuidade: Quando os objetos estão dispostos em uma sequência lógica, tendemos a associá-los e assim conseguir formar uma imagem conhecida pelo cérebro ou linhas orgânicas. Um bom exemplo são os All Tipes – imagens formadas apenas por palavras -, que não são visto como palavras, e sim como um objeto maior formado por um grupo de palavras.

 

 

– Fechamento: Nosso cérebro tende a completar figuras que possuam certo sentido em nossa memória, porém estão aparentemente incompletos visualmente, um bom exemplo desse fundamento é o logotipo da rede de supermercados Carrefour, que forma um “C” na junção dos seus elementos.

 

Como vimos, a Gestalt é o método usado pelo cérebro para agrupar, absorver e interpretar as imagens. Uma poderosa ferramenta de criação, pois faz a comunicação subir de nível e faz do projeto algo único. As leis, por exemplo, podem ser usadas simultaneamente, porém, a parcimônia é necessária para não deixar a arte repetitiva e nem tanto caótica. Por isso, a Gestalt precisa ser estudada por meio da decomposição de peças gráficas e praticada com a aplicação das leis e conceitos nos projetos.

Ou seja, COMUNIQUE-SE!

Um abraço,